25.6.07

Restos de mim

Restos de mim

Restos de mim
Restos do que deixou em mim
Estão como as luzes da cidade
Em meio as ilhas de calor
Vejo um , vejo dois e procuro o outro
O outro que me fora arrancado como pétalas por uma menina que do bem me quer ao mal me quer se perdeu
O seu resto no meu resto sintetisa a solião encapada, encantada, frustada e jogada ao léu lamento
Sua voz ao fundo de mim
Minha dor em você
Isso une e separa
E quando ela a escuridão da qual um dia irá nos levar chegar ,ainda assim seremos um
Como os religiosos pregam e se enganam
Restos de tí
Meus restos somos o resto de tudo o que restou
Lis

2 comentários:

O Véio disse...

Eu vi, eu vi!

Tuas pétalas! Peguei um punhado delas pelo caminho e guardei-as no meu coração pra te entreguar no momento apropriado!

Um pedaço seu, um "resto" apenas, é mais fascinante do que a noite pra mim. Imagina o que vai ser quanto te juntar inteira!

;-)

Jane disse...

Caramba, emoção pura. Ouro ou todo tesouro da essência que é a poesia, simplesmente Linda.“ O seu resto no meu resto sintetiza a solidão encapada, encantada, frustrada e jogada ao léu lamento
Sua voz ao fundo de mim
Minha dor em você
Isso une e separa” com esses versos vou flutuar no gosto das rosas e quem sabe colher gestos que acalmem a dor de ser. Ficou lindo seu poema. Você é simplesmente ótima em derramar nas folha as faces da mente. Um abraço. Fui