21.11.07

Receber o outro

“(...) Nenhum nome resta, nenhuma lembrança, hoje, do nome de ontem – ou do nome de hoje, amanhã. Se o nome é a coisa, se um nome é, em nós, o conceito de cada coisa situada fora de nós, e se, sem nome, não há o conceito, ficando em nós a coisa como cega indistinta e indefinida, então que cada um grave aquele nome que eu tive entre os homens, entalhando-o como epitáfio sobre a fronte daquela imagem com que lhes apareci, deixando-a em paz e relegando-a ao esquecimento. Um nome não é mais do que isso: um epitáfio. Convém aos mortos, aos que concluíram. Eu estou vivo e sem conclusão. A vida não tem conclusão – nem consta que saiba de nomes. Esta árvore respira, trêmula de folhas novas. Sou esta árvore. À árvore, nuvem. Amanhã, livro ou vento: o livro que leio e o vento que bebo. Tudo fora, errante”. (Pirandello, 2001)